Tags

, , , , ,

“Prefiro ser essa metamorfose ambulante.” Acho que quem me conhece pensa que essa frase é minha. Desde que eu era criança odiava o convencional. E não era difirente com o cabelo. Odiava que meu cabelo era parecido com o dos outros.

Então comecei a mexer nele cedo, mas no começo era só o corte que eu mudava. Fui de cabelo na cintura para Joãozinho, máquina quatro, e amei. O susto na cara de todo mundo quando apareci aos 10 anos com um corte revolucionário. Foi uma sensação ótima, mas quando o efeito de susto passou eu entrei na rotina e não gostei.

Ai eu comecei a perceber que a sensação de mudança durava de 4 a 6 meses. Então eu comecei a mexer no cabelo com a mesma freqüência. Dou graças a Deus que meu cabelo aguenta as maluquices que eu faço.

Despois que comecei a pintar aí virou diversão. Já fiz um pouco de tudo, já fui ruiva, passei um vermelho sangue no cabelo depois um vinho. Já fui morena, passei o castanho, e fiquei loira tipo Marilyn Monroe. Fiz mechas, luzes barra do cabelo colorida. E finalmente cheguei no mais legal fiz o cabelo todo colorido.

Esse é o cabelo que estou agora todo colorido. Minha cunhada me chamou de arara, ahahhahah, e eu adorei.

Anúncios